Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Seg | 25.06.18

Tipos de mães nas festas de fim-de-ano

Fatia Mor

É, por demais, conhecido o meu gosto por festas de fim-de-ano. Não tenho nada contra crianças, não tenho nada contra festas, não tenho nada contra os fins dos anos escolares, mas metam tudo junto na mesma frase e eu começo a ficar nervosa!

Quinta-feira passada lá fui eu, mãe dedicada da minha cria mais velha, assistir aos bailados, aos teatros e às canções que eles levam a cabo ao longo de algumas (dolorosas) horas.

Desta feita, mantive os olhos atentos (enquanto fotografava a festa a pedido da avó fatias-barra-educadora lá na escola) ao que se passava à minha volta. 

Pois bem, meus amigos, apresento-vos, com rufar de tambores, com fogo de artifício, com lágrimas nos olhos... 

Os tipos de mães nas festas de fim-de-ano!

(oiço as vossas palmas e agradeço)

 

Mãe em cima do acontecimento - esta mãe chega antes da hora, com sacos de coisas que podem fazer falta, a fazer entourage, a apoiar crianças, auxiliares, técnicos e educadoras. Sabe a ordem da festa, sabe as letras das músicas, sabe as falas dos teatros, e sabe também como pôr aquilo tudo a mexer. Por vezes, esta mãe partilha atributos com a mãe chorona!

 

Mãe chorona - é a mãe que chora por dois motivos: tudo e nada. Chora porque os meninos cantam bem, chora porque se enganaram na letra. Chora quando alguma criança se emociona. Emociona-se com as despedidas, mesmo que o seu filho volte no dia seguinte e nos próximos anos, porque ainda não vai transitar para o primeiro ciclo. Vem munida de lenços de papel e óculos escuros para disfarçar os olhos inchados e o nariz vermelho, que já traz de casa, por antecipação.

 

Mãe relógio - é a mãe que vive constrangida pelos horários. Por norma trabalha mais de 10h por dia, chega atrasada a festa por constrangimentos do trabalho e tem que sair mais cedo. Percebe-se que está dividida entre estar presente na festa e o estar ausente do trabalho. A preocupação é visível nos seus olhos e tende a partilhar alguns aspectos com a mãe chorona.

 

Mãe convívio - para esta mãe uma festa é "uma festa", senão até, "a" festa! Por isso, arranja-se com o seu melhor vestido, coloca os seus melhores saltos, maquilhagem caprichada e chega a desfilar, qual rainha de Inglaterra. Distribui beijinhos, conhece toda a gente, fala animadamente com outras mães convívio e aproveita para pôr em a escrita em dia! Tenta disfarçar o choro, encostando um lenço ao canto do olho.

 

Mãe socialnetwork - diferencia-se da mãe convívio no veículo da sua interacção. Chega de telemóvel/tablet/máquina fotográfica em riste, a disparar para todo o lado, a actualizar instagram com a hashtag #festadaescola, a colocar entradas no face, a fazer directos para o mundo, sempre a garantir que meio mundo (e outro meio) percebem que o seu filho vai para o primeiro ciclo. Partilha, muitas vezes, características com a mãe em cima do acontecimento e a mãe chorona.

 

Mãe perdida - esta mãe não sabe bem como se mover no meio da festa, nem das outras mães. Sem jeito para este tipo de actividades sociais escolares, senta-se várias vezes nas cadeiras até escolher um lugar em pé, onde passa mais desapercebida. Não conhece o nome das crianças, não faz ideia quem é a auxiliar da sala do seu filho, e descobre pelo meio que deveria ter trazido um doce ou um salgado para a festa que se segue. Por norma, é concomitante com a mãe chorona.

 

Eu cá, tenho um tipo de mãe bem determinado (#perdidaforever). E vocês?

 

10 comentários

Comentar post