Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

11
Set18

Escreverem por nós

Fatia Mor

Sei que o tema é batido. Possivelmente, a maior parte de nós já recebeu propostas para publicar algo, referente a um produto ou serviço, proposto por uma agência de comunicação ou algo semelhante.

Não critico, minimamente, quem aceite. No fundo, são conteúdos para um blog que não se alimenta sozinho. Devo dizer, até, que tenho tido grande dificuldade em preencher as páginas em branco deste, portanto, entradas à borla até que nem me parece um mau negócio.

Mas, quando comecei este blog estava longe de imaginar que o mesmo pudesse ser um veículo comercial. Nunca foi essa a minha ideia. Nunca pensei em ganhar o que quer que fosse que as letras que aqui debito. Pode parecer uma santificação de discurso ao tipo "olhem para mim, tão íntegra" mas, neste caso, até nem é!

Nunca pensei. Se um dia me dissessem que podia ganhar o equivalente ao que aufiro agora, só a partir desta plataforma, digo-vos já que não hesitava um segundo. Se isso me comprasse mais tempo de qualidade com os meus, era num piscar de olhos! Mas esse tipo de ideia é apenas uma ilusão, como muitas outras. Tudo dá trabalho.

Ora, quando vejo estas acções predatórias, que se atiram a tudo o que tecla, fico um pouco desapontada. Suponho que a taxa de sucesso dos mesmos seja baixa (ou então, leio muito pouco para me aperceber da semelhança de conteúdos). Ainda assim, pergunto-me, quanto posts já li eu que não eram de autor? Qual a utilidade de o fazer?

Visibilidade, talvez. Tentar crescer no mundo dos blogs, eventualmente. Mas desvirtuar tudo aquilo que um blog representa, também. Ser blogger profissional implica, talvez, abdicar de algo que nós, os amadores ainda não temos que ceder: sermos nós mesmos (passo o pleonasmo).

Quantas vezes, depois de ler um post até giro, bem escrito, interessante, noto, em letras minoradas "post escrito em parceria com...". Sei que é outra liga, mas fica-me sempre a dúvida de quanto está ali do blogger, quanto está ali da agência. Talvez me importasse menos se anunciassem claramente que aquele tempo de antena é agora da responsabilidade da marca tal e talvez lesse à mesma o post, com o mesmo interesse em conhecer novos produtos e serviços.

Seja como for, aqui, garanto-vos. É tudo escrito por mim. E se algum dia, não for, serão os primeiros a saber!

 

 

02
Fev18

Então vamos lá arrumar isto

Fatia Mor

Depois do meu repto sobre a necessidade de arrumar este blog, recebi umas boas ideias! (Obrigada F.)

Tenho plena noção de que não tenho tempo para escrever todos os dias. Seria o ideal mas o tempo escasseia. E mesmo tendo a possibilidade de agendar as publicações, reconheço que nem sempre tenho vontade de dar ao dedo à noite, por exemplo.

Mas vou tentar dar lógica, tema, organização às ideias que por aqui passeiam, dando-lhes alguma identidade.

No passado já tentei criar algumas rubricas para os temas sobre os quais vou escrevendo; o resultado foi uma autêntica salganhada de ideias que nascem e morrem mais depressa que as plantas lá em casa. 

Por isso, vamos lá tentar estruturar as coisas.

 

#SomosTodosPaisÀBeiraDeUmAtaqueDeNervos 

Assim mesmo, tudo pegado, numa salganhada só! Somos isso mesmo. Seja porque os nossos filhos nos envergonham, nos tiram do sério, nos dão respostas inesperadas e capazes de levar um santo à loucura. Aqui irei dedicar as histórias mais loucas que me acontecem enquanto mãe ou a nós, enquanto família. 

#QuandoOBoloAzeda 

Ora bem, isto de ser mãe é muito giro mas também tem coisas muito chatas. Nem todos os dias são bons, cheios de açúcar, de amor, de boa vontade. Num mundo em que estamos subjugado à felicidade alheia por meio das redes sociais, que montam uma perspectiva virtualmente impossível de realizar, é preciso falar de tudo o que corre mal, do que é menos bom, dos nossos medos e dos nossos anseio.

#Pérolas

Há coisas que os meus filhos fazem e/ou dizem que são autênticas pérolas de sabedoria. E que merecem ver a luz do dia. É serviço público. E eu faço isso por vocês! 

#Foto'Aventura

(esta é à descarada F., mas obrigada pela ideia) 

Aqui vão ficar todos os avanços, retrocessos, vontades, desta paixão pela fotografia e pelo sonho de construir algo dentro desta área. 

#FatiasMundanas

Porque eu também tenho qualquer coisa (de mais ou menos) jeito para dizer sobre o mundo, sobre a actualidade, ou sobre nada em particular e sobre tudo em geral. 

#IngredientesDaFatiaMor

Quem sou eu? Do que sou feita? Que medos alimento? Que demónios domestico? De onde me vem a fé? As crenças? As loucuras e as inconsistências humanas que habitam em mim. A catarse em forma escrita, na sua essência. 

#AoDomingoDescansou

E se até Deus descansou, eu também tenho direito, certo? Contem com silêncio ao domingo! E novidades à segunda. 

 

E agora, é deitar mãos ao trabalho, que é como quem diz ao teclado, e fazer uma das coisas que mais prazer me dá. Escrever.

 

 

 

30
Jan18

Arrumações

Fatia Mor

Este blog anda meio parado. E a culpa é minha. 

Bom, claro que é minha porque sou eu que o alimento. Mas é minha no sentido de que não consigo trabalhar em sítios desarrumado (bem, quem olhe para a minha secretária, neste momento, talvez duvide do que estou a afirmar).

 

Sinto que tenho perdido um pouco o norte no que vou por aqui publicando. Se, por um lado, este esforço tem sido um reflexo do que é a minha vida, por outro, isto tem-se tornado numa amálgama de ideias que estão, simplesmente, desorganizadas.

 

O problema é que tempo para pensar numa estratégia para isto está em falta. Escasseia abundantemente, passo a ideia paradoxal! 

Obviamente, que estas hesitações me levam logo a perguntar se vale a pena continuar. Eu adoro escrever para mim, tem uma função de catarse, mas a realidade é que ultimamente as ideias surgem-me sempre quando estou em ambientes que não permitem deitar a mão à obra e, quando chega o tempo de por tudo aqui nesta página branca, a inspiração deu à sola e colocou-se a milhas.

E sinto, francamente, que esse problema tem sido demasiado recorrente nos últimos tempos e tema de conversa aqui mais do que eu gostaria.

 

Por isso, está na hora de pensar no destino deste blog. Preciso de arrumar a casa, que é como quem diz, de arrumar as ideias.

Sugestões, ideias, aceitam-se tudo, desde que grátis!

 

A sempre vossa,

FatiaMor

07
Dez17

Dearly, Nenas (um follow friday à quinta, pode ser?)

Fatia Mor

Uma querida amiga minha deu-me a conhecer a história da Inês, ou Nenas, como a própria se intitula.

Numa enorme capacidade de resiliência para lidar com um problema que afecta muitos indivíduos, a Nenas assumiu o compromisso de falar sobre o seu próprio distúrbio e o percurso que fez (e faz) para lidar com ele.

É um projecto que merece ser acompanhado, ainda para mais vindo de uma mente tão jovem e tão promissora: Dearly, Nenas.

 

Fica a sugestão.

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (https://www.flaticon.com/).