Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

02
Mar18

Quando a pessoa quer ser saudável e nos sai o tiro pela culatra

Fatia Mor

Anteontem estava um dia chuvoso e não tinha como entreter as miúdas. Cheguei a casa e apercebi-me que não havia nem uns míseros biscoitos para nos animarem o dia. Decidimos, então, que talvez fosse boa ideia atirarmos mãos à obra e fazermos alguma coisa para afiarmos o dente, que não fosse um poço de açúcar e que se parecesse com alguma coisa saudável.

Abro o frigorífico e não tinha ovos. 

Mau começo, porque normalmente, faltarem-me ingredientes não é um bom princípio para coisa alguma. 

Contudo, a internet está cheia de boas ideias. Optei por uns biscoitos que pareciam normais. Manteiga, açúcar amarelo e com pouca quantidade, farinha, leite, uma pitada de sal e, opcional, uma colher de chocolate em pó!

Vamos a isso, pensei eu.

As miúdas ajudaram ao processo, fizeram as bolas, esmagaram-nas com o garfo (eu fui ajeitando a coisa disfarçadamente) e zumba no forno.

Cheiravam bem.

Mas...

Eu devia ter suspeitado. A cor era uma bocadinho... bom, não vale a pena entrar em pormenores. O chocolate em pó ficou num castanho parecido com aquele símbolo enroladinho, com olhinhos... Do you know what I mean?

Depois, apesar de cheirarem bem, parecia que nunca mais coziam.

Lá achei que 15 minutos bastavam, tirei-os e deixo-os arrefecer.

A ausência dos ovos, originalmente em falta na receita, conferiu-lhes uma textura um tanto ou algo estranha. Parecem ser fofos demais. Aliás, acho que em termos de textura parecem-se muito com scones que ficaram apenas maus.

Mas o pior de tudo é o sabor! Sabem precisamente a farinha com manteiga. Nada mais do que isso. No fim do paladar deixam uma nota de chocolate mas é só isso.

Vale-nos que eles não são muito exigentes e comeram o seu biscoito, numa noite de trovoada e chuva, com gosto.

 

Realmente, é questão para se dizer que o que nos mata é o que nos felizes! 

São raras as receitas saudáveis que são realmente boas ou que substituem as clássicas, de forma satisfatória. Talvez seja uma questão de paladar, de exigência, não sei. Mas que é um desconsolo, ai isso é!

9 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (https://www.flaticon.com/).