Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Ter | 09.03.21

Há um ano

27/2021

Fatia Mor

Há um ano estávamos prestes a conhecer a realidade do confinamento. Cá em casa, terá sido por este dia que começamos a pensar que informalmente reduziríamos todas as saídas ao essencial. A ameaça do vírus pairava sobre Portugal. Noutros países já se seguiam notícias aterradoras, confinamentos, medidas extremas. No dia 19 de março (depois da 1ª morte por COVID-19 a 16 março), Portugal conheceu o estado de emergência por esta ameaça "insidiosa". 

Há um ano as nossas vidas foram revolucionadas por um novo "estar em casa". Sentimentos misturados, entre o sentido de dever, o medo e a esperança oscilavam nas nossas conversas. Fizemos pão, comemos bolos, bebemos vinho. Na nossa ideia, daqui a um ano, já estaria tudo colocado para trás das costas. O mundo teria voltado ao "normal". Fazíamos planos de como seria quando tudo voltasse a ser o que já tinha sido.

Volveu um ano e estamos prestes a começar a desconfinar. Outra vez. Mais um verbo para conjugar na incerteza dos dias. Ansiar. Normalizar. Desconfinar. Resistir.  

Desta vez, os sentimentos são mais escuros, mais difíceis de aplacar. A nossa vida pouco mudou, com este novo confinamento. Continuamos sem abraçar. Sem beijar. Sem reunir. Com máscara. Com cuidados. Com medo. As notícias sucedem-se em vagas que navegamos com optimismo irrealista e pessimismo destruidor. Tão depressa nos salvamos, como a seguir nos perdemos nesta revolução social para onde fomos atirados.

E o mundo não para de girar. Nunca cessa o seu movimento de revolução sobre si. De translação à volta do Sol. 

Somos testemunhas da história que se desenvolve pelas nossas mãos, com a consciência implacável de que tal acontece com ou sem a nossa concordância. Seremos capazes de mudar a história, o mundo? Ou continuaremos a esperar que tudo volte a ser como era? Em que verbo conjugaremos o nosso futuro?

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.