Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

29
Nov17

O livro secreto #4

Fatia Mor

Para quem anda mais distraído, a "nossa" MJ tem a seu cargo (e bem, deixem-me que vos diga) a iniciativa, de segunda edição, do Livro Secreto. Já falei anteriormente do que me passou pelas mãos aqui, aqui e aqui.

Hoje podia falar-vos do último livro que me chegou pelo correio, Os olhos de Ana Marta, de autoria da Alice Vieira. Podia dizer-vos que adorei o livro. Que adoro Alice Vieira, a forma tocante como escreve, simples mas profunda, a sua capacidade de nos criar emoções que nos voam pela pele, nos isolam do mundo e nos fazem entrar na mente das personagens, com tanta, mas tanta sensibilidade. 

 

Mas hoje, vou falar-vos de como esta iniciativa me está a fazer bem. 

 

Sempre adorei ler. Os livros são, para mim, janelas para realidades alternativas. Já me apaixonei, já chorei, já detestei, ri até às lágrimas, passei noites em claro, tudo por causa de livros. Sou capaz de começar a ler e só despegar os olhos das páginas quando encontro o fim. E não consigo evitar a sensação de abandono, de orfandade sempre que acabo um livro que gosto. É como acordar de um sonho bom, ou o acabar de um momento de grande alegria, em que temos que enfrentar novamente a realidade. Gosto de imaginar as minhas personagens favoritas, dar-lhes continuidade na minha mente, pensar em reescrever-lhes os fins que alguns autores lhes dão. 

Apesar disto tudo, com os anos, fui perdendo ritmo. Fui deixando de ler com tanta frequência. Troquei as páginas dos livros, pelas páginas dos estudos mais técnicos, dos temas mais profissionais. Sentia que lia muito, mas muito pouco para me alimentar a alma de criança que ainda vive em mim e que gosta de imaginar.

A dada altura, dei-me conta que os meses se passavam e nada se passava no meu reino de fantasia. 

Desde que me juntei a esta iniciativa - apesar de ter receio de não conseguir cumprir com os prazos de leitura e ter que deixar os livros voarem sem lhes tocar - redescobri a alegria de ler novamente.

Aliás, redescobri a alegria de esperar pelo carteiro, de encontrar uma surpresa na caixa do correio. Perceber de onde veio o livro, por onde já passou, que passagens alegraram outras vistas (apesar de eu continuar sem conseguir riscar os livros - tento mas não consigo), que fizeram vibrar os outros corações.

A possibilidade de todos os meses ter um livro novo na minha cabeceira, faz com que espere avidamente pelo momento de enviar o meu, para logo receber outro. Nem o facto de ter que ir aos correios - que pode ser uma verdadeira aventura - me demove! 

Esta iniciativa tem-me feito bem, tem-me dado a conhecer outros autores, a quebrar barreiras de preconceitos face a determinados livros, a reler obras de valor inestimável como se fosse a primeira vez, tirando-lhe novos sentidos, novos saberes.

Esta iniciativa faz-me mais rica, a cada mês que passa. 

 

E agora, venha o próximo!

28
Nov17

Nomeada, eu?

Fatia Mor

Qual Maria Antonieta de França, qual quê!

Aqui, a vossa Fatia Mor, que espera não ir para a guilhotina da ribalta, foi nomeada pelo melhor. Não. O maior. Não. O mais espectacular-ó-fantabulástico concurso de blogs do ano!!!

 

Surpreendidos? 

Também eu, confesso!

 

A iniciativa da Magda no seu blog StoneArt Portugal: Os Sapos do Ano já está em votações, após um período de nomeações que me parece que ia dando com a moçoila em doida! 

Eu não teria metade da paciência e da sua boa disposição para levar uma coisa destas a cabo. Mas já que foi um cabo dos trabalhos e que na categoria de maternidade, lá para o fim - também, quem é que me mandou colocar um nome de blog a começar pela letra "v" - apareço eu!

 

Votem. 

 

Não precisam votar em mim, mas votem, porque está bem giro e podem conhecer imensos blogs com qualidade. Alguns já conhecia, outros foram agradáveis surpresa descobri-los!

 

Mas pronto, votem, e já que votam também podem garantir-me um lugar honroso. Dispenso o rolls-royce do primeiro prémio, mas aceito a viagem às Caraíbas, já que até entro em aviões!!

 

E tendo em consideração que ali A das palavras anda à procura de um Eli Gold para lhe gerir a campanha, eu aposto em contratar a Olivia Pope and associates, para me tratarem da minha gestão da campanha (toma toma, que ao menos estes puseram os gajos na casa branca, pá!).

 

 

27
Nov17

Conversas sérias

Fatia Mor

Numa das muitas viagens de carro entre a escola e casa, da Fatia#1 com a avó Fatias.

 

- Avó, a bisavó foi ter com o Jesus porque estava muito velhinha, não é?

- Sim, foi isso.

- E há medida que eu eu cresço, os meus pais estão a envelhecer.

- A avó também.

- Sabes, não gosto nada disso.

 

Custa tanto saber que eles vão ter que sair do mundo da fantasia da infância para a vida real...

21
Nov17

Fechar um ciclo

Fatia Mor

A vida é feita de clichés. Perdão. De ciclos. Equivale a dizer o mesmo, na verdade. Ainda assim, devo reconhecer que apesar da sua ordinariedade não lhes consigo ficar indiferente. Não me vacinei para a inevitabilidade de a vida nos apresentar mudança constante e que essa mudança se encerra em ciclos delimitados no tempo.

Achava que já não importava. Já saí de lá há tantos anos quanto aqueles que morei noutros sítios. Mas permaneceu sempre ali, naquele 8º andar que até hoje não me dá vertigens, quando outros o fazem estando, até, mais perto do chão.

Conheci cada canto daquela casa. Conhecia as nuances do soalho, as manhas das cortinas, a oposição específica de cada interruptor (dos novos e dos antigos). Mais do que isso, tenho memórias únicas em cada canto. Sei onde ficava a pequena árvore de natal, que os meus avós montavam, em cima de um dos bancos da mesa de apoio da sala de estar. Conheço de perto a vista da janela do meu quarto, onde vi aparecerem muitos dos prédios que hoje figuram naquela avenida. Recordo, ainda melhor, o esquentador que teimava em acender. Lembro-me de estudar na cozinha e na mesa da sala de jantar, apesar de ter uma escrivaninha no quarto que já tinha pertencido aos meus tios. Tenho impresso em mim, as horas que passei ao colo do meu avô e depois ao seu lado, a ver televisão. Desporto e notícias essencialmente, porque só havia uma televisão e toda a gente via o mesmo. 

Tinha ainda, outra particularidade. Tinha amigos. Amigos que também já saíram dali. Que cresceram, seguiram as suas vidas, mas ficaram para sempre impressos no parque. Aquele parque infantil onde brincávamos e, mais tarde, partilhávamos a vida. Achávamos que aquilo era o mais belo que poderia haver e que aquelas amizades seriam para sempre. Foram. E não foram. Mas sei agora que já não vou voltar à janela, olhar para cima e ver de onde saíam as cabeças, onde falávamos e ríamos - aos gritos - de uns andares para os outros. Não vou voltar lá, não por achar que não se volta onde fomos felizes, mas porque chegou uma nova era.

Agora, novas memórias farão parte daquelas paredes. Aqueles vidros verão novos reflexos. Aqueles soalhos encontrarão novos pés. Tudo será diferente. 

Mas o bom dos edifícios é que ficam. Ficam, mesmo que nós não fiquemos. E guardam, mesmo quando já nos esquecemos, as memórias de quando fomos felizes. E fomos muito felizes ali.

Adeus, meu querido 8º esquerdo.

Que as tuas portas se abram para um novo ciclo, enquanto eu fecho a última que me liga a ti.

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (https://www.flaticon.com/).