Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Qui | 29.09.16

Amor à primeira vista

Fatia Mor

Vi as minhas duas filhas nascerem. Mesmo que não se goste muito de ambientes hospitalares, operações e coisas que tais (não é o meu caso), acho que é algo inegavelmente vinculativo. Há qualquer coisa de animal e instintivo no facto de recebermos no nosso peito um bebé que acaba de nascer.

 

Para mim, é ali que se concretiza a expressão amor à primeira vista.

 

É onde o bebé imaginado durante 9 meses se torna real.

 

É onde podemos contar os dedos das mãos e dos pés, e em que nos assustamos com a imensidão da vida humana, tudo resumido a um ser minúsculo e que depende totalmente de nós (e nós dele).

 

Só me apercebi disto tudo, agora, quando o Fatia#3 nasceu.

 

Não vi o Fatia#3 nascer. Por força das circunstâncias menos boas (mas que dizemos com confiança "correu tudo bem"), não estava acordada quando ele veio ao mundo. 

 

Falta-me nas fibras do corpo e nos entrelaçares da alma esse momento. Esse e muitos outros que não me foram permitidos. O dar de mamar na primeira hora de vida. O tocar, cheirar, sentir nos primeiros momentos. O trocar a primeira fralda, o mudar o primeiro body. O primeiro colo não foi o meu.

 

Nunca pensei que me fizesse tanta diferença. 

 

Não é o amor que é diferente. Esse já se instalou há muito e da mesma maneira (ou até mais forte, por força do afastamento). Mas a verdade é que ficou um grande vazio no meu peito que acho que vou acalentar ainda por alguns meses. Faltou-me esse contacto pele a pele, o arrepio de olhar um filho pela primeira vez, no seu primeiro sopro de vida.

 

Dito assim até parece que sou uma romântica. Não sou. Mas nestas coisas do amor, do instinto, a verdade é que me faltou a paixão ao primeiro momento.

 

Mas a vida é sábia e dá-nos sempre mais momentos para vivermos. Venha uma imensão de vida juntos! Temos uma vida inteira para nos conhecermos. 

Qui | 29.09.16

Sou só eu...

Fatia Mor

A casa-de-banho tem duas lâmpadas associadas a dois interruptores. Um deles está ligado ao extractor da dita cuja. Escusado será dizer que, sempre que acertamos nesse interruptor, origina-se um barulho irritante e favorável ao acordar de mais de metade dos elementos desta casa.

 

Recentemente, a lâmpada que não está associada ao extractor fundiu-se... Enquanto assim permaneceu, não houve dia em que, em vez de ligar a luz no interruptor que garantia iluminação (e barulho), não carregasse no interruptor errado, entrasse na casa-de-banho e ficasse feita parva à espera que o milagre da luz se desse!

 

O Fatiasmén trocou a lâmpada.

 

Agora não há vez em que, ao invés de carregar no interruptor que garante iluminação, ligue o interruptor conectado ao extractor... 

E não há forma de decorar qual o desgraçado em que devo carregar... Caneco, serei só eu? Ou isto é uma conspiração Murphiana para acordar 3/5 dos elementos familiares, quando vou ao wc a meio da noite?

Qua | 28.09.16

Considerações sobre os ténis*

Fatia Mor

Da Fatia#1:

"Oh mãe" - diz ela muito chocada após a troca da fralda do mano - "o Fatia#3 também tem um ténis!!"

Mais um evangelização sobre o facto da palavra não ser exactamente essa!

"Que bom!" - continua ela - "Assim como tem um ténis vai poder fazer xixi em pé como o pai!! Eu tenho dois, faço sentada!"

 

Da Fatia#2:

Ao ver o pai sair do banho, avança de dedo em riste em direção ao dito ténis:

"Qué isto?" - pergunta ela.

"É o pénis do papá."- respondo eu na vã esperança que uma delas me acerte no nome.

"Deeeeeedoooooo" - diz ela. E vai embora a repetir "é um deeeeeedoooooo".

 

Desisto... juro que desisto....

 

(*) Caso estejam na dúvida é mesmo de pénis que estamos a falar. 

 

Ter | 27.09.16

Não faço publicidade mas...

Fatia Mor

Acho que não devo deixar de falar dos serviços que nos surpreendem de forma muito positiva, especialmente quando se tratam de negócios e empresas portuguesas que lutam por vingar num mercado competitivo.

 

Como sabem, todos os bebés devem andar nas cadeiras auto - os vulgares ovinhos. Ora, o nosso já correu três Fatias, sem contar que é emprestado do primo das Fatias. Cumpre a sua função mas convenhamos que os seus anos de glória já passaram.

 

Uma solução simples é comprar uma forra para o ovo. Há várias marcas a vendê-las. Contudo, é uma oportunidade para personalizar o nosso ovo, que normalmente são monocromáticos e em com cores com pouca graça e se o pudermos fazer de acordo com os nossos gostos, melhor ainda!

 

Já tinha feito o mesmo aquando da Fatia#2 e agora voltei a procurar por uma marca que fizesse aquilo que eu queria e a preços convidativos.

 

Na minha pesquisa deparei-me com esta página no facebook:

The Moustache Baby faz produtos para bebés e crianças que prometem ser do agrado de todos e personalizado ao estilo de cada um. 

 

Depois de ficar rendida às imagens que vi no facebook e de me encantar com as sugestões de combinações de tecidos que podemos optar, decidi-me a experimentar e a encomendar uma forra para o ovo do Fatia#3, juntamente com alguns complementos.

 

São claros nas regras da realização dos produtos e do envio, ainda assim, como o Fatia#3 estava apressado (e não nos enganámos!), apelei à simpatia de quem contactou comigo ao longo deste processo (obrigada Raquel!) para explicar que tinha alguma pressa em que os produtos chegassem o quanto antes. E assim foi! Em modo contra-relógio e com um sentido de oportunidade de extremo, no dia 15 (um dia antes de dar entrada no hospital), chegou-nos uma encomenda a casa com tudo o que tinha pedido (e mais um mimo extra).

 

Não podia deixar de elogiar a simpatia, mas essencialmente a rapidez, a qualidade dos tecidos e da finalização dos materiais, bem como babar pelo giro que ficou o novo-velhinho ovo do meu Fatia#3.

 

Ora vejam lá:

IMG_20160925_165847.jpg

Um ovo personalizado e dentro da temática da decoração do quarto do Fatia#3!

 

Mais uma vez, obrigada ao The Moustache Baby

Seg | 26.09.16

Finalmente!

Fatia Mor

Sempre achei que a palavra fim é precocemente empregue na vida, até porque todos os fins são igualmente novos começos!

E o nosso chegou! Finalmente, ontem trouxemos o Fatia#3 para casa. Portanto agora estamos em fase de nos conhecermos mutuamente, de descobrir novas rotinas e novas formas de fazer tudo o que já fazíamos de olhos fechados.

Finalmente, acho que vou conseguir retomar as publicações no blog. E tenho algumas coisas para contar! Mas não há forma melhor para recomeçar do que dizer-vos como eu blogo.

Passem pelo blog desta equipa Sapo que continua a esforçar-se por mostrar um pouco mais da "gente" que está dentro destes cantos virtuais.

Obrigada à força que muitos me enviaram, aos parabéns que me chegaram pelo nascimento do Fatia#3.

 

Agora é que começa a aventura!!

Sab | 24.09.16

...

Fatia Mor

Tenho um mar de lágrimas encerrado em mim, à espera do momento certo para desaguar.

Deixo-as em banho maria, a aquecer na alma, a queimarem-me as fibras, que se endurecem para aguentar os embates, as dores, a divisão necessária.

Um dia sei que as comportas se abrirão! Talvez numa noite calma, em que já estejas ali ao nosso lado a dormir tranquilo, talvez num banho mais demorado que me lave as tristezas.

Neste momento tenho o meu sorriso a postos, o meu peito cheio de amor e a minha voz vibra de doçura. É só isso que quero que tu e as tuas irmãs sintam. É só isso que quero que o desconhecido mundo com que falo diariamente veja. 

A cada "tudo bem, são só mais uns dias" coloco mais uma lágrima no banco. A render. Ninguém quer mais uns dias. Queremos para ontem, para já e para sempre.

Tenho o coração numa incubadora, ligado a fios e a máquinas que apitam sem sensibilidade nenhuma pela dor de quem espreita pelo acrílico. Dão números como quem dá ar, que flutuam sem lhes conhecermos o significado.

"Está tudo bem, são só mais uns dias" tem sido o mantra mais repetido... o problema é que os meus dias contrariaram o equinócio e têm vindo a crescer...

Mas pelos vistos, hoje são só mais umas horas... estás quase ao pé de nós! 

 

(Faz hoje uma semana que nasceste...)

 

Seg | 19.09.16

17 de setembro

Fatia Mor

Foi o dia em que quiseste vir ao mundo, quase cinco semanas antes da data de termo.

Passa agora a ser o dia do teu aniversário, o dia em que a nossa família cresceu, em que as Fatias ganharam a maior prenda das suas vidas: um irmão!

Ainda há muito a crescer, agora cá fora, mas estamos cá para te amar pequeno Fatia#3.

 

Qua | 14.09.16

Às vezes...

Fatia Mor

... vejo projectos de DIY tão feios, tão trabalhosos e tão inúteis e penso cá com os meus botões que foi para evitar coisas dessas que se inventou o dinheiro!

 

E comprar, não?????

 

Um tapete de casa de banho reciclado com toalhas velhas?? 

Velas a partir de lápis de cera?

Caixas de cartão forradas com corda? Mas isso dura realmente???

 

Mas pronto, pode ser apenas a inveja de quem tem duas mãos esquerdas para trabalhos manuais a falar!!

 

 

Pág. 1/3