Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Qui | 19.05.16

Querido face

Fatia Mor

Querido face,

 

Posso tratar-te assim, neste formato carinhoso? Acho que sim...

Já passamos por muitos momentos juntos. Mesmo que tu aches que podes discriminar-me e não me mostrar as minhas memórias que tenho com outras pessoas. Mas sabes, não é isso que me preocupa.

Preocupam-me sim, os teus critérios de selecção. Algo me diz que tu não sabes bem o que eu gosto de ver. Ou melhor, parece-me que o sucesso te subiu à cabeça e escolhes por mim os conteúdos que me interessam.

Vou explicar-te uma coisa. Os meus amigos são muito variados, tão variados quanto as cores que há num vestido pindérico da Agatha Ruiz de la Prada. Isso não quer dizer que eu goste de tudo o que os meus amigos gostam, nem que me divirta da mesma maneira que eles. Aliás, é da diversidade de gostos e interesses que nos fazemos amigos complementares, mas daí a partilhar tudo com eles, vai uma grande distância.

Por isso, querido face, cada vez mais me custa ver que estás doente. Sim, há em ti um transtorno bipolar que é visível sempre que abro o meu moral. Tão depressa me mostras receitas de bolos, panquecas, bolachas, normalmente ornamentadas com nutella e com muitas calorias, como a seguir me mostras vídeos de mulheres em forma, musculadas, a treinar, com foco e determinação para obter o corpo perfeito. 

E nem vamos falar das publicações do ámen. Sim, daquelas que mostram a miséria humana, das doenças, da pobreza, das recuperações milagrosas, dos remédios que as farmacêuticas não querem que se conheçam mas que dizimam o cancro em dois minutos. Em muitas delas, se não dizemos ámen, temos pelo menos 7 anos de azar... E logo imagens dos meus amigos, felizes, a passear, em férias...

Não sei querido face... Tenho dias em que sinto que já não me apetece abrir-te e ver o que meus amigos andam a fazer. Não é isso que me mostras. Aliás grande parte do que vejo nem sequer é publicado por eles. São apenas gostos ou comentários que eles fizeram em coisas que não são deles! É isto que me queres mostrar?

Ai querido face... Tenho saudades de quando as coisas eram mais simples, os algoritmos inexistentes e tu me mostravas apenas o que os meus amigos tinham partilhado no seu mural. 

 

Espero que compreendas que não estou chateada contigo. Acho que fazes bem o teu papel. Só não estou contente com o meu... Talvez isto signifique que um dia vamos dizer "acabou" sobre esta relação. E espero que seja tão civilizado como alguns divórcios. 

 

Um abraço da sempre tua amiga,

Fatia

 

Ter | 17.05.16

Semana #18

Fatia Mor

Querido diário,

 

Confesso que não tenho muito a dizer-te. O tempo está a voar e hoje dei por mim a esquecer-me que virávamos mais uma semana.

Gostava de te dizer como me sinto linda e maravilhosa neste estado de graça, mas infelizmente parece que não me sinto com (em) gracinha alguma. 

Valha-nos a criança que já vai mexendo, quando me coloco sossegada para me permitir sentir os suaves toques que já me dá. O nome está escolhido, a ver se na próxima ecografia não mudamos de sexo (já aconteceu a muito boa gente ter que mudar planos).

O humor parece uma montanha russa apenas para homens de barba rija! Não há dia em que não passe por todas as estações do ano, desde um ar invernoso até à euforia do verão.

Começamos, também, a modificar a casa para acolher mais um bebé, e as alterações aos quartos estão a deixar-me os nervos em franja! Ou melhor, os nervos estão em franja e as mudanças não ajudam.

 

E pronto, querido diário, é tudo o que tenho para ti. Mais do mesmo.

 

Pode ser que daqui a uma semana já esteja mais bem disposta... Se não estiver, olha, aguenta!

 

Fatia (sem graça) Mor.

Sex | 13.05.16

E não é que...

Fatia Mor

Mexeste!

Ou melhor, senti-te mexer!

Já me tinha esquecido de como era a sensação dos primeiros toques, das primeiras voltas que nos são permitidas sentir. 

Sei que daqui a umas semanas, quando estiveres maior, já vou estar a desejar que estejas quieto, que não te enfies debaixo das costelas ou que não me pontapeies o estômago. Será também a altura em que todos poderão ver que andas às cambalhotas, poderão sentir-te ao encostar a mão à minha barriga.

Mas para já, és só meu. Estas voltas que dás são só para mim, e estas festinhas são só minhas. 

E já me tinha esquecido de como isso era bom!

Ter | 10.05.16

Semana #17

Fatia Mor

Querido diário,

 

Virámos mais uma semana no calendário. Na sexta-feira fomos à consulta ver o feijão que já começa a qualificar-se de vagem, com os seus 10cm (mais coisa menos coisa).

A Fatia#1 acompanhou-me na consulta e delirou ao ver o mano na televisão. Um doce. Resta saber se percebeu alguma coisa do que viu, apesar das tentativas loucas da médica em mostrar-lhe as mãos, os pés e a cara do "bebé".

Mas hoje, particularmente, vou desabafar-te algo que me deixa sempre louca na gravidez. Pois é, querido diário, deixemo-nos de rodeios. Mamas. Está dito. 

Apesar de a maioria dos homens fantasiar com umas mamas consideravelmente maiores (e têm razão para o fazer porque elas crescem consideravelmente) e de muitas mulheres esperarem por este momento para ostentarem um decote em condições, esquecemo-nos que nestas coisas não há almoços grátis!

E quando é que pagamos a cont(on)a?

Estás a ver aquela fase da puberdade das meninas, em que as mamas insistem em despontar, deixando-nos doridas, irritadas e em que até o peso de uma t-shirt incomoda horrores? Pois, é mais ou menos isso, mas num par de meses! Doem, latejam, incomodam. Os soutiens apertam, não seguram, e se não abrimos os cordões à bolsa, corremos o risco de nos fazermos mais mal que bem! 

Não me importaria de ter o benefício, se não tivesse o custo! Mas a verdade, é que as dores de costas começam logo a acusar o peso a mais, normalmente inexistente; os soutiens apertam e constrangem quais corpetes malfadados; tudo o que era apertado para sobressair atributos, deixa rapidamente de servir adequadamente. São os flagelos da grávida moderna que diriam os antigos "não têm mais em que pensar, que no meu tempo não havia cá essas frescuras"! 

Talvez sim, talvez não... Mas pronto, na altura as mulheres usavam bigode e hoje em dia, felizmente, já há maneira de dar conta das pilosidades corporais... Aceitemos que é o progresso e vivamo-lo.

 

Até para a semana querido diário que eu vou ver se encontro um soutien de jeito!

Ter | 10.05.16

Desafio Liebster Award

Fatia Mor

 

A Gaffe disse-se atrapalhada na tarefa de responder a este desafio. Diria que desempenhou exemplarmente o seu trabalho e ainda conseguiu, com mestria, criar 10 questões para respondermos. 

Sei que isto tem regras e que implica criar mais 10 questões, referir 11 factos sobre a minha pessoa e nomear pessoas para dar continuidade ao desafio. Mas vou ser uma preguiçosa, se me permitem, e responder apenas às questões que me foram colocadas. No passado já fiz tudo o resto e acho que já sabem inúmeras coisas sobre mim, especialmente a que mais interessa neste momento: sou uma criatura a tentar fugir às obrigações do trabalho!

 

Vamos então a isso, pelo menos à parte que mais interessa.

 

1 - Quais são, segundo os teus critérios mais íntimos, as três palavras mais belas da Língua Portuguesa? 

Arriscar-me-ia a dizer que são todas as que me falam ao coração, que me adoçam a alma. Francamente custa-me escolher, depende sempre do dia, da disposição... Posso recorrer a clichés? Podem ser os substantivos próprios das minhas filhotas e talvez a palavra amor?

 

2 - Quem escolherias tu para Presidente do Mundo?

Ghandi. 

 

3 - Dos teus cinco sentidos, qual o mais e o menos importante para ti? Porquê?

Queria dizer que o mais importante é a visão, mas a verdade é que fechamos sempre os olhos para apreciar o que nos dá mais prazer: seja um beijo ou o toque quem amamos, o cheiro das minhas filhas, o paladar do meu prato favorito ou o odor da relva acabada de cortar... Não sei qual será o menos importante, nem qual o tem supremacia. 

 

4 - Qual (e justifica a escolha) o blog que levarias contigo para uma ilha deserta?

 Não quero ser injusta, por isso acho que levava o meu.

 

5 - O que farias se fosses invisível durante 24 horas?

 Chorava. Não há pior sensação do que a da invisibilidade. Gosto que reparem em mim com conta, peso e medida.

 

6 - Qual seria primeiro Decreto que assinarias se fosses uma Ditadora implacável e impune?

Aquele que terminaria com a minha ditadura. Admiro a liberdade, especialmente a livre-pensamento e livre-escolha, aceitando-a com todas as consequências que daí advêm. 

 

7 - O que defendes com paixão, mas que na realidade nunca te preocupou grande coisa?

É uma questão dura e rasteirada. Como podemos defender algo apaixonadamente se não nos preocuparmos com ela?

 

8 - Escolhe um(a) amigo(a). O que dizes quando falas nele(a)?

Está sempre presente, mesmo quando ausente.

 

9 - Escolhe UM dos teus blogs favoritos. Qual seria o presente ideal que lhe oferecerias?

Como oferecer um presente a um blog? Talvez uma nova imagem?

 

 

10 - Qual foi o primeiro pensamento - sério - que tiveste hoje ao acordar?

Já ando há uns bons pares de dias a acabar este desafio... Diria que a primeira coisa que pensei hoje de manhã foi "esta criança tem um despertador interno". A minha mais nova acorda sempre à mesma hora!