Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Seg | 29.06.15

Outra vez o gato

Fatia Mor

Está um calor de dar arrepios! 

 

Cheguei a casa e Fatia#1 tem se recusado a vestir os calções, quer andar só de t-shirt. Em tom divertido, pergunto-lhe:

- Fatia#1, o que é feito dos calções?

Fatia#1: Oh mãe, se calhar, o gato levou!

FatiaMor: Outra vez o gato Fatia#1? Mas nós não temos gato! - digo eu, na tentativa de evidenciar o óbvio.

Fatia#1: Oh mamã, mas a Fatia#1 tem a Puca dos AmigosFatias H e A. Foi a Puca que levou!

 

E pronto, já sei qual é o gato que anda aqui em casa!!!

Seg | 29.06.15

Pérolas ao par são mais baratas

Fatia Mor

Tenho andado ocupada com piu-pius de feltro (hão-de aparecer por aqui, também) para os anos da Fatia#1 e tenho tido pouco tempo para vir aqui relatar as mais recentes pérolas da minha criança#1. 

 

Com o calor a coisa apura e ela agora está voltada para o lado do Fatiasmén (também, não pode calhar sempre aos mesmos, não é?).

 

Sábado de manhã, senta-se na nossa cama, com o livro da história dos três porquinhos. Achou por bem começar a contar-nos a história à sua maneira. 

Fatia#1: Olha mana, - que estava por lá também - este é o porquinho, este é outro porquinho. - e lá continuou ela. 

Nisto, oiço: Olha mana, e este é o papá quando era porquinho!

 

Risada geral e a coisa passou-se...

 

Hoje de manhã, e vendo que Fastiasmén, seu "papi" adorado já não estava em casa, quis ligar-lhe.

Pegou no telemóvel, escolheu o contacto do pai e ligou. Por algum motivo a chamada não se realizou e desligou-se sozinha.

Vejo-a vir ter comigo, um quanto ou tanto irritada, e diz-me enquanto me entrega o telefone:

 

- Mamã, não dá. Posso ligar para o outro papá?

 

 

É questão para perguntar: o que é porquinho ou outro ainda?

 

Até eu, que sei quem é o pai da criança, começo a ficar confusa...

 

Qui | 25.06.15

Do ser mãe...

Fatia Mor

Ser mãe é avassalador!

 

Acho que nunca teria compreendido a intensidade dessa avalanche sentimental antes de ter filhos. Nem durante a gravidez. Há coisas que só conseguimos perceber depois de experimentar e para mim, a maternidade, foi uma dessas coisas.

Talvez não esteja a dizer nada de novo. Aliás, não estou certamente. A maternidade existe desde os primórdios dos tempos, mães sempre as houve, e certamente o amor, devoção e carinho que dedicavam às suas crias é em tudo idêntico ao que que coloco na construção das minhas fatiazinhas.

É curioso ver, pela quantidade de textos que surgem diariamente sobre a maternidade e os seus desafios, como cada mãe vive esta temática como se fosse a primeira. Eu própria me incluo nessa perspetiva egocêntrica de "nunca ninguém me disse que isto ia ser assim, e certamente foi só a mim que isto me aconteceu".

Se calhar, por isso, a necessidade de partilharmos tudo com aqueles que vão ser pais. Tentarmos mostrar o caminho, iluminá-lo, mostrar quão avassalador vai ser, como nós autênticos doutorados no assunto temos tanto a acrescentar!

Curioso, pensar que essas mesmas dicas que nos foram dadas, de nada valeram; como se, se assemelhassem a sementes que caem em solo infértil. Como preferimos passar por tudo como se fossemos uma tábua rasa, experimentando todas as soluções inovadoras, como se, pela primeira vez, tivessem a ser testadas, quando antes de nós uma míriade de mães (e pais) já as haviam posto em prática.

Ser mãe é notavelmente avassalador. Porque realmente é uma experiência única e intransmissível, que por mais anos que todos os que nos rodeiam vivam, jamais conseguirão passar as suas impressões aos que os sucedem. 

É necessário experimentar. Sentir. Mudar. É essencial passar por tudo como se fossemos únicos. Essa originalidade traz-nos um sentido especial sobre a relação com os nossos filhos. Por isso, vamos continuar, a passar toda a nossa sabedoria para cair em saco roto, enquanto fazemos uns buracos no nosso próprio saco de conselhos. 

Porque ser mãe é avassalador e único!

 

Seg | 22.06.15

Corre, FatiaMor, corre!

Fatia Mor

É assim que eu me sinto: enfiada no filme do Forrest Gump, durante o período em que ele corria para todo o lado!

A semana passa a correr. O fim-de-semana passa a fugir. 

 

Precisa-se de calma e de um relógio avariado. A ver se o tempo passa um bocadinho mais devagar.

 

Fica a alegria de que os meus esforços maternos estão a dar frutos:

Fatia#2 já faz tátá com a mão e diz tátátátátátá ao mesmo tempo!

 

Parvoíce Orgulho de mãe é grande!

 

 

Qui | 18.06.15

Habemus mamã

Fatia Mor

Os ouvidos de mãe ouvem o que querem ouvir! Eu sei, eu sei... Mas eu vou jurar, a pés juntos, pelo que de mais sagrado há neste mundo, que ouvi, com estes ouvidinhos que os meus paizinhos me fizeram, a Fatia#2, ainda nem há uma hora, dizer "mamã".

Foi num seguimento de sons inqualificáveis. 

Foi num momento de pura diversão com os seus bonecos.

Foi num momento em que eu não estava na minha campanha "mamã primeiro, que eu não quero filhas ingratas, carreguei convosco 9 meses para dizerem papá primeiro, e blábláblá".

Foi assim quase de fugida...

 

Mas eu ouvi, fiz a festa, atirei os foguetes e apanhei as canas.

 

Agora é esperar que volte a acontecer, o que pode ser só daqui a uns dias, semanas ou meses!

Ter | 16.06.15

Pérola #17 (? que eu já lhes perdi a conta)

Fatia Mor

Imaginem-nos sentadas às três no tapete da sala.

Fatia#1 de costas para mim e para a Fatia#2 que está animada, sentada ao meu colo, enquanto brincamos as duas. Fatia#1 não está minimamente interessada no que estamos a fazer.

Fatia#2, do alto dos seus oito meses, começa agora a ostentar gracinhas (ou pelo menos tenta). Como tal, passamos o tempo a dizer "tátá", a fazer adeus com as mãos, a bater palminhas, a mandar-lhe beijinhos, na vã esperança que ela comece a alegrar-nos os dias com estas interações infantis.

Estou eu, entretidíssima a dizer-lhe "faz tátá filha" e "tátá amor" e Fatia#2 nada.

Insisto, insisto, insisto...

 

FatiaMor: Diz lá amorzinho, diz lá tátá! - digo eu na maior das bebézices...

 

Fatia#1 volta-se e diz, com algum ar de quem está farta de semelhante conversa: Tátá mamã!

 

.......

 

Eu devo ser mesmo chata com isto do tátá!

Seg | 15.06.15

Nomes carinhosos

Fatia Mor

O nosso blog familiar tem andado um pouco paradito. Fruto da época de muito trabalho e algum cansaço.

Hoje cabe-me falar da nossa Fatia#2. Está linda, do alto dos seus 8 meses, e começa a ensaiar algumas gracinhas. 

Fatiasmén, sempre no acontecimento, tem por hábito dar nomes carinhosos à nossa filha mais nova. Para gáudio de todos, aqui ficam alguns deles:

 

1) Dinossauro

2) Leitão

3) Fardo de palha (é loirinha)

4) Fardinho (decorrente do último)

5) Gôda

6) Bucha

 

Portanto... Tudo nomes carinhosos!

Pág. 1/2