Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Qui | 30.04.15

Nadinha

Fatia Mor

De nada! Estou farta de correr as lojas mais comuns e não encontro nada que goste. Já falei aqui no blog da minha dificuldade em encontrar roupa que cumpra dois três requisitos essenciais:

 

a) que me fique bem;

b) que eu goste.

e já agora,

c) que não seja um horror de dinheirinho.

 

O tempo mais alegre do ano aproxima-se a passos largos, a pedir blusas frescas, coisas coloridas e tecidos leves. E eu continuo sem nada no armário. Duas gravidezes num período de 3 anos fez com que o investimento em roupa tenha sido pouco, ao ponto de este ano, praticamente não ter roupa de verão para não grávidas. 

 

Vou continuar a procurar, mas não está fácil.

 

Mais alguém com estes dilemas?

Qua | 29.04.15

O que aprendemos quando somos pais #2

Fatia Mor

Aprendemos que somos tolerantes a experiências não realistas.

E lidamos com elas com elevada naturalidade.

 

Fatia#1: Mãe, olha a batata.

FatiaMor: Vai colocar a batata no sítio dela, filha!

Fatia#1: Não mamã, a batata é minha amiga. Queres brincar comigo batata?

FatiaMor: Deve querer filha. A batata é tua amiga, sim.

Fatia#1: Olha mãe, quero ir fazer xixi com a batata.

FatiaMor: Está bem, amor, vamos lá para a casa-de-banho.

 

 

Se há três anos me dissessem que ia ter diálogos destes com esta naturalidade, diria que essas pessoas estavam parvas. No mínimo.

 

 

Ter | 28.04.15

Sou a pior mãe do mundo #2

Fatia Mor

Para além de não guardar os lencitos das minhas Fatias como o amigo da Maria das Palavras - garanto-vos que teria muito que armazenar - sou a mãe menos sabedora do pedaço.

 

Ainda há pouco, depois de entrar numa loja com a Fatia#2 para tratar de uma troca, aparecem junto a mim um simpático e amável casal, com um bebé pequenito encantador e naturalmente, iniciam-se as trocas de informação sobre crianças.

 

FatiaMor: Que lindo! Quantos meses tem?

Casal: Tem x meses. Ainda é pequenito. 

FatiaMor: Mas esta também era pequena e agora está grandita! Eles fazem-se num instante, especialmente depois de entrarem as papas. - dando um ar de entendedora-porque-já-tenho-duas-filhas.

Casal: A sua é linda. Quanto é que ela pesa agora.

(com esta é que me tramaram)

FatiaMor: 7 kg, acho eu... - dando o ar de já-não-tão-sabedora! E o senhor insiste...

Casal: E comprimento? Quanto mede?

FatiaMor: Hummm... Acho que deverá medir uns 65cm, diria eu!

Casal: Mas então, não foi à consulta dos 6 meses? 

FatiaMor dando a desculpa a mil-à-hora: Sim fui, mas sabem é segunda filha...

Casal: Ah pois... - com ar de olha-esta-negligencia-a-filha-mais-nova-e-coitada-só-deve-vestir-roupa-da-mais-velha!

 

Pronto, hoje foi entregue oficialmente o prémio de pior mãe do mundo!

 

Obrigada, obrigada!

Seg | 27.04.15

Ah e tal e é de puxar ao sentimentalismo

Fatia Mor

"Minha filha, quando cresceres encontra um Grande Homem"?

Really? Serei a única a rir-me a bandeiras soltas com o texto, com o duplo sentido e com o sentimentalismo puxado ao ridículo?

Será que os grandes homens andam aí a cair das árvores? E uma mulher precisa mesmo de um grande homem?

Há muito tempo que não lia um texto carregado de tanto sexismo, ainda que bénevolo, escondidinho, mito do cavaleiro honrado em cima de um cavalo branco.

 

Meninas, se estão à espera que esse homem surja, num dia de nevoeiro, esperem sentadas, porque D. Sebastião disse que vinha e oh? que é dele? 

 

Vamos lá ver a coisa de outra maneira...

 

Primeiro, ninguém nos faz feliz. Chavão da autoajuda é, infelizmente, bem verdade. E se estivermos bem connosco, se alguém vier para nos pôr mal, então mais vale ir andando.

 

Segundo, como as coisas estão, porque não apaixonares-te por alguém grande, em vez de ser um grande homem. Cada um gosta do que gosta e ponto final. Portanto este texto apenas serve a facção heterossexual da história humana.

 

Terceiro, não seria de esperar o mesmo de todas as pessoas, independente do seu sexo? Que connosco construam mundos melhores, que nos respeitem, que não queiram apenas centrar-se em si, que gostem de nós como somos, blábláblá...

 

Quarto, e se ela não for uma Grande Mulher? Ou por sermos mulheres somos seres angélicos e perfeitos, inantigíveis e apenas de qualidades adoráveis...

 

Oh poupem-me!

 

Vá lá, que hoje é o dia da esposa malvada!! Adoro o conceito!

Dom | 26.04.15

Mudança

Fatia Mor

Sou uma naba nestas coisas do blog.

Acho que só recentemente me apercebi que há muito mais do que debitar palavras. E descobri o mundo da personalização do blog. 

Portanto, have no fear... Se um dia chegarem aqui e estiver tudo diferente, nada mudou. Só a aparência externa.

É que um bolo deste gabarito não pode ficar com uma cobertura standart. Isto precisa de royal icing, e fondant, e stencil, e tudo e tudo e tudo!

 

Me aguardem... Vou ser o blog menos mais fashion da blogoesfera. Oh se vou! O único problema é chegar lá!!

Pág. 1/4