Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Sex | 26.12.14

E o Natal foi assim...

Fatia Mor

Este ano foi o primeiro em que a Fatia#1 percebeu realmente como é que esta coisa do Natal funciona. Não estou a referir-me à essência do Natal nem aos valores que representa, até porque esses devem ser praticados e incutidos ao longo de todo o ano, mas mais à dinâmica do aspecto pagão e consumista do assunto!

E por isso foi a loucura! Desde que montamos e decoramos a árvore de natal que esta sofre uma redecoração por parte da nossa pequena grande Fatia diaramente. Ela são bolas e fitas que mudam de sítio, os benditos chocolates que simplesmente desistimos de por na árvore e as (poucas) prendas que apareceram por lá tiveram que ser guardadas à distância do olhar para garantir que chegavam intactas ao grande dia. Inclusive todos os dias o pai natal era alvo de interrogatório, para saber quando chegava, de onde vinha e garantiamos-lhe que o trenó estava parado lá em baixo com a prendas, pronto a zarpar se Fatia#1 se portasse mal! Nada como uma boa chantagem natalícia para acalmar os ânimos.

O grande dia chegou, cheio de expectativas e rabanadas! Nada como virar as costas para a ver aparecer com as mãos e a boca literalmente panadas em açúcar e canela! Mesmo fechando as portas, ela conseguia num momento de distração lambuzar-se com tudo o de bom que o natal tem!

Durante a tarde, mais precisamente no período da sesta, o pai natal passou lá por casa para deixar todas as prendas na árvore com a promessa de voltar mais tarde para as entregar pessoalmente. É que isto de deixar prendas pelo mundo inteiro obriga a horários de entrega precisos!  Confesso que foi inesquecível ver o olhar dela fascinado com quantidade de embrulhos que surgiram num passe de magia. E como os dedos ganharam olhinhos e rapidamente abanaram, pegaram, pesaram e tentaram abrir toda e quaquer prendinha que pendia naquele "sapatinho".

Cânticos à mistura, avançou-se para o jantar, mas a excitação da Fatia#1 e dos seus primos era tal, que tivemos que chamar o pai natal mais cedo, antes do jantar dos adultos. E aí foi a loucura! Desde gritar à janela pelo pai natal, a dizer que ouvia as renas foi um salto! Assim que a vermelha figura apareceu na varanda ouviram-se gritinhos de felicidade e correu para os braços do pai natal. Mesmo quando o desgraçado ajudante da mítica personagem teve que tirar a barba, a magia do momento era tal que não reconheceu o tio que momentos antes brincava com ela. 

Efectivamente é de louvar como a imaginação das crianças funciona. Como acreditam piamente nesta magia do natal que lhes traz presentes. Ainda que não percebam o móbil nem a história por trás desta troca de prendas, a alegria de desembrulhar e ver o que receberam foi única. 

 

Mas o melhor veio depois.

Prenda #1: Roupa... Desembrulha e... "Não gosto de roupa! Pai Natal, dá-me outra!". 

Prenda#2: Livro... Desembrulha e "Não gosto de livros! Pai Natal, dá-me um brinquedo!".

 

Fatia#1 desde 2012 a saber do que gosta!

Sex | 26.12.14

Nostalgia

Fatia Mor

Aproveitei por estes dias para pôr algumas roupas da Fatia#2 de parte. Finalmente a rapariga está a crescer a olhos vistos e a roupa deixa de servir em questões de dias. 

Ao olhar para o conjunto de pequenas roupas que somava à minha frente, fui invadida por uma nostalgia imensa. Este é o ultimo bebé que vou ter, pelo menos conscientemente! Isso fez-me querer abrandar o tempo, que é tao impiedoso com aqueles que amam, porque anuncia sempre a separação seja esta qual for e na altura em que seja.

Pensei, naquele momento e em jeito de choque de realidade, que nunca mais iria sentir as emoções avassaladoras de conhecer alguém pela primeira vez e saber que o iria amar incondicionalmente. Já não vou segurar um ser por mim criado do ponto de vista carnal, por mim gerado e carregado com todo o amor e intransigência que me é característica do período de gravidez (ficará para outra publicação). 

Parece que este bolo já não se vai dividir em mais fatias e foi isso que me deixou em modo de nostalgia. Não há melhor sensação que sentir o primeiro contacto, pele a pele, com um filho acabado de nascer. O calor humano ganha uma dimensão única nesse momento em que sabemos que bastamos para aquele ser. A relatividade da vida invade-nos para não mais nos abandonar. Deixa-nos inteiros ao mesmo tempo que nos parte para sempre! E apesar de saber que não será possível pelas condições de vida actual, aquele conjunto de pequenas roupas que se amontavam ali em frente aos meus olhos, deixou-me com a tristeza de não mais me dividir dessa forma divina, ao mesmo tempo que me alegro pela conquista da minha pequena Fatia#2.

Quem sabe não me sai o euromilhões? Acho que vou começar a jogar!

Qui | 18.12.14

Top de desculpas para não dormir

Fatia Mor

Fatia#1 tem uma relação amor-ódio com o sono. Se por um lado adora dormir e tenho que ser eu a acordá-la, a custo, de manhã para nos despacharmos para a escola, por outro lado o adormecer é caótico. Neste momento há um top de desculpas para evitar colocar o corpito no colchão, de forma a atrasar interminavelmente o adormecer:

#10: Dói - dói sempre qualquer coisa, a boca, o nariz, o joelho, o pé ou o boneco. Alguma coisa tem que doer ou então não é noite que se preze.

#9: Crocs - toda a gente sabe que não conseguimos dormir sem um par de crocs em cima da cama e Fatia#1 não é excepção.

#8: Sede - a sede é uma coisa dramática, ataca nas piores alturas e normalmente mata-se com uma gota de água.

#7: Tapa - acção recorrente de destapar para logo em seguir gritar do quarto "Mãe, tapa".

#6: Tem medo - "Tem medo..." do escuro, dos sinos, do cão, do ruca, da rosita... Tem medo!

#5: Tem fome - apesar de nem sempre esta desculpa entrar em acção, às vezes lá vai desde uma bolacha a um iogurte.

#4: Mana - a Fatia#2 também é muitas vezes arrastada para o barulho; ou porque quer pegar, ou ver, ou dar beijinho.

#3: Miminho - "Que dar miminhos" significa que quer sentar-se ao nosso colo aí durante 15 segundos, para logo em seguida começar a ver coisas para fazer ou para brincar à nossa volta.

#2: Xixi - mesmo depois de ter feito xixi há 5 minutos atrás, tem xixi. E como quem tem crianças pequenas sem fralda à noite tem medo, nada como pô-la na sanita, mesmo sabendo que é fisicamente impossível ter xixi outra vez.

#1: Chucha - ainda que não tenha usado chucha em bebé, desde que voltamos a ter chuchas em casa por causa da Fatia#2, miss Fatia#1 já conseguiu destruir uma chucha, perder duas e roubar outra à mana. À noite costuma choramingar por elas, para as ostentar na boca e em seguida perdê-las algures pelos lençóis.

 

E nisto se passam duas agradáveis horas de serão! E quando ela adormece, normalmente, acorda a irmã... Neste momento, acho que pago para dormir uma noite a partir das 20h, pode ser?

P.S. Neste momento está aqui ao lado com a desculpa #3!

Qui | 18.12.14

Pérola #6

Fatia Mor

Fatia Mor carregada com a Fatia#2 no ovinho, mala de saída, mochila da escola da Fatia#1, casaco que esta não quis vestir, a correr contra o tempo para chegarmos a horas à aula de música, no colégio.

Fatia#1: Mãe, quero colinho! - exclamava enquanto mostrava os braços abertos.

Fatia Mor: Queres colinho, o tanas, parente do Elias! - respondo-lhe eu, já à beira da loucura e a considerar que o teletransporte já podia ter sido inventado, que as mães pelo mundo fora agradeceriam. A resposta não se fez tardar... Uns segundos para pensar e...

Fatia#1: Mãe, quem é esse?

 

Poker face!

Qua | 17.12.14

Costura

Fatia Mor

Apaziguem-se as mentes inquietas, o mundo não está para acabar! Nem me vou dedicar a tempo inteiro ao "corte e costura"!
Depois da bricolage, eu resolvi dar uma de costureira. Bom, para ser costureira ainda tenho muito que andar... Mas já fiz o primeiro workshop e pasmem-se, alminhas descrentes, consegui fazer qualquer de jeito, ou pelo menos parece!

Camera360_2014_12_17_020117_jpg.jpg

 Agora ganhei-lhe o gosto e vou fazer sacos para o mundo inteiro!!! (mua-ah-ah-ah).

Ou talvez não, mas preciso de praticar e vou dar-me ao luxo de fazer sacos para viagem, para colocar sapatos e roupa suja para as minhas fatias... Aqui ficam os tecidos lindos para as minhas fatizitas!

Camera360_2014_12_17_020144_jpg.jpg

 E pronto, agora podem começar a fugir que eu vou atrás de vocês com agulha e linha!

Ter | 16.12.14

Paragem

Fatia Mor

As fatias têm andado desaparecidas por força das circunstâncias. Nada que umas férias sem internet não provoquem. Nada de especial. Muito descanso e logo a seguir muita preguiça. Mas voltamos à acção. Em breve novidades fresquinhas para aquecer os dias frios que se instalaram de vez!

keep-calm-que-estamos-de-volta-vidaasfatias-blogs-

 

Seg | 08.12.14

Pérola #5

Fatia Mor

Fatia#1 a fazer o que sabe melhor: asneiras.

Fatia Mor: Não mexas aí!

Fatia#1: ... - silêncio...

Fatia Mor: Estás a ouvir o que a mamã te está a dizer?

Fatia#1: Não!

Fatia Mor: Então e se eu te der uma palmada ouves melhor ou nem por isso? - Já a passar-me com a esperteza da moça.

Fatia#1: Nem por isso!

 

 

Ok! Matou-me com esta... de riso!

Sex | 05.12.14

Making of

Fatia Mor

Camera360_2014_12_5_031523_jpg.jpg

 

Camera360_2014_12_5_031536_jpg.jpg

 

Camera360_2014_12_5_033645_jpg.jpg

 

Camera360_2014_12_5_105555_jpg.jpg

 

Camera360_2014_12_5_105606_jpg.jpg

 

Aqui está o burro. Qualquer semelhança com qualquer outro animal não é pura coincidência, mas sim pura azelhice! Nada que muito papel eva, muita cola e pouca imaginação não consigam fazer! Ao menos, neste presépio, o menino Jesus já pode ser aquecido pelo bafo de um burro cheio de estilo - Fatias' style!

Qui | 04.12.14

Burro

Fatia Mor

Todos os anos, no colégio da Fatia#1, é feito um presépio com a contribuição de todas as crianças. A nós, este ano, calhou-nos o burro. E eu que tenho imenso jeito para a bricolage de coisas quadradas, nem sem muito bem sequer como vou abordar este empreendimento de grande monta.

Acho que o melhor é abrir um concurso público para ver quem me desenrasca, até dia 9, esta tarefa! Porque sinceramente o burro corre o risco de parecer um conjunto de materiais amarfanhados, que nem a gestalt consegue salvar!!

É nestas alturas que nem a internet nos salva! Posso sempre mandar o burro do presépio cá de casa, emprestado! Será que acreditam que eu esculpi aquilo?

Pág. 1/2