Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

Vida às fatias

Qua | 02.12.20

12/2020

Fatia Mor

Chegou Dezembro.

Dezembro de 2020. Ainda me recordo quando, há 9 meses, nos enfiamos em casa, devido ao desconhecimento total sobre um vírus que lançou o mundo numa pandemia, numa espiral de mudanças cognitivas, afectivas e comportamentais.

Ainda tenho presente o único dia, em pleno confinamento, em que tive mesmo que sair de casa e de conduzir por ruas completamente vazias. O silêncio, a sensação de acalmaria era inegável. O de medo também.

2020 está a chegar ao fim. Não sou destas coisas, mas os chineses têm profundas superstições sobre o número 4. Aparentemente, o som que representa o número 4 é similar ao som da morte (ou melhor, de morrer). E não embirram apenas com o 4, mas números que somados dão 4. Não sei se já perceberam... Mas 2+0+2+0 dá... adivinhem lá... 4... E os anos bissextos são em intervalos de 4 anos. Bom, daqui a bocado estou a enfiar-me num viés de confirmação desta informação e culpar os astros por tudo isto.

Não chego a tanto. Mas a esperança, também um tanto ou quanto fundamentada em pensamento desta ordem, faz com que tenha os olhos postos em 2021. E acho que não sou a única. Só que sei que quando as badaladas nos fizerem sair de 2020, para nos adentrarmos em mais um ano do calendário pelo qual nos regemos, vamos encontrar a mesma coisa. Máscaras, álcool-gel, distanciamento social, confinamento parcial e números diários de testes, infectados, mortos e recuperados. O meu lado mais emocional degladia-se com o meu lado mais racional. Quero acreditar que acrescentar 1 àquele número vai fazer a diferença, quando sei que isso será apenas isso: +1.

São tudo números; 2021 é só mais um número e levaremos connosco aquilo que somos, a situação em que estamos... E olhem, talvez seja bom assim... Ao menos, não tenho que ficar acordada até à meia-noite, nem vestir cuecas azuis, nem comer passas. Ao menos, essas crendices vão ficar esquecidas.

 

6 comentários

Comentar post