Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

14
Ago15

Manual de sobrevivência às férias com crianças

Fatia Mor

Estar de férias com crianças não é um luxo.

Talvez, em tempos idos (e vindouros), férias sejam sinónimo de relaxamento, de chinelo no pé e de sair de casa em cinco minutos para ir beber uma cerveja, acto que acaba às 6 das manhã, a entrar em casa, depois de uma noitada "daquelas"!

Estar de férias com crianças é, na melhor das hipóteses, a antítese da descrição acima. Eventualmente, alguns "abençoados" poderão ter serão até altas horas da madrugada, mas regra geral o motivo de tal empreitada nunca é tão feliz como no caso anterior.

A meu ver, férias com estes pequenos e adoráveis seres, que se transformam em diabretes se não lhes damos de comer a horas certas, se não temos actividades pensadas e se tentamos sair de casa, simplesmente, é comparável aos desafios de sobrevivência do Bear, no canal Discovery (passo a publicidade, que cá no canto não há disso).

 

Então, pareceu-me lógico, que deveria realizar um apanhado de todas as estratégias que desenvolvi ao longo destes três anos de farta experiência:

 

1. Vinho tinto. Tenha uma garrafeira bem apetrechada. Para mim, tudo vai melhor com vinho tinto. Podia dizer-vos que interessa a casta, o período de envelhecimento, e até o ano... Mas não, um bom copo de vinho e todas as tropelias das crianças parecem adquirir outra alegria.

2. Produtos de limpeza. Muitos. Variados. E tira-nódoas, dos potentes, também. O mais certo é que existam nódoas de toda a espécie e feitio em todos os tecidos da vossa casa. Como tal, é necessário forma de os limpar.

3. Ver a série Scandal. Ou outra que ensine a retirar nódoas difíceis dos tecidos e outros materiais. É importante estarmos informados sobre as melhores técnicas de remoção de coisas indesejáveis do chão, do sofá ou dos vidros, por exemplo. 

4. Distúrbio obsessivo-compulsivo. Desenvolver, sem falta, um distúrbio que nos faça andar sempre a escolher, seriar, arrumar, mudar de lugar, etc. Vai ser extremamente útil para conseguirmos manter alguma ordem no caos que se vai instalar, diariamente... minto... horariamente na sala, na cozinha, na casa de banho e até, como dizia uma das leitoras do nosso blog, na gaveta da roupa interior.

5. Escondermo-nos na casa de banho. Esta habilidade só ao alcance dos grandes Houdinis - de desaparecer momentaneamente para dois segundos de sossego - é indispensável para quando estivermos pelos cabelos com os gritos, o choro e o "não empurres/puxes/tapes/magoes a tua irmã/irmão". 

6. Técnicas de movimentação "ninja style". Quando conseguimos que estejam a brincar em harmonia, ou melhor ainda, quando conseguimos que caiam redondos na cama sem qualquer barulho, devemos entrar em modo ninja e andar pela casa em bicos dos pés, seleccionando as tábuas do soalho que não rangem, mantendo as portas na posição em que não chiam e evitando desesperadamente que alguma alminha se lembre de tocar à porta para vender mais um qualquer serviço de televisão/internet/telefone que já temos!

7. Mais vinho. Quando nos sentirmos a fraquejar, devemos recordar-nos que a garrafa de vinho permanece aberta e alguém tem que o beber antes que azede. É que vinagre de vinho tinto não é a melhor coisa do mundo para se beber.

8. Ignorar. A técnica de conseguir olhar sem ver, reservada apenas às mentes zen dos monges budistas, deve aqui entrar em acção, especialmente quando a dócil criaturinha tenta de toda e qualquer forma chamar a atenção, que possa resultar num grito ou, para os mais atrevidos, numa sacudidela de pó.

9. Dançar ou Cantar. Aproveitar os momentos em que a petizada vê o Panda e os Caricas, ou a Xana Toc Toc, ou o Pintainho Amarelinho, ou a Galinha Pintadinha, ou outra qualquer colectânea de música infantil e cantar/dançar como se não houvesse amanhã. (NOTA: aplicar a técnica número 8 se existirem queixas, derivadas da performance).

Finalmente...

10. Aproveitar. Aproveitar porque esta infância dura pouco e podemos sempre fazer as maiores loucuras com eles outra vez. Seja pintar com os dedos, as mãos e os dedos dos pés. Atirar bolas para um cesto de roupa vazio. Fazer cócegas até dar um ataque de soluços a qualquer uma das partes. Fazer tendas, grutas e garagens para o KikoNico. 

 

Boas férias a todos... 

 

6 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (http://www.flaticon.com/).