Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

23
Mar17

Juventude cansada

Fatia Mor

Não sei em que altura comecei a usar maquilhagem, mas recordo-me bem que era apenas em ocasiões especiais. Por norma, aplicava um blush, um batom e rimel. O meu desconhecimento sobre os meandros da arte de bem disfarçar era tanto - ou tão pouco - que só anos mais tarde descobri que se denominava máscara de pestanas.

Por isso, habituei-me a ver-me sempre de cara lavada. A leveza da idade não permitia que as olheiras se instalassem, que a pele descaísse ou que as rugas aparecessem. Já vou tendo tudo isso, em pequenas quantidades, ao ponto de já não me permitir acordar com um ar fresco, mesmo depois de 8h de sono retemperador. Ainda assim, resisto estoicamente à tentação de me encharcar em primer, base, correctores, iluminadores, enfim, tudo aquilo que me devolva a frescura sem me dar quilos de anos. Continuo de cara lavada. 

 

Hoje, como em muitos dias, fui ao bar beber café. Por norma, nos mesmos dias e horas, tendemos a encontrar as mesmas pessoas. Portanto, já não é a primeira vez que me cruzo com ela.

Ela é uma aluna com menos de 20 anos. Tenho a certeza. Muito bonita, vem sempre com o cabelo i-m-p-e-c-a-v-e-l-m-e-n-t-e esticado e p-e-r-f-e-i-t-a-m-e-n-t-e mascarada. Digo, maquilhada!

Olhando para a pele dela consigo identificar, pelo menos, uma boa camada de base, corretor de olheiras, e iluminador. Traz blush, sombra, várias, num efeito esfumado, risco a lápis (outras vezes eyeliner), umas pestanas falsas colocadas de forma exímia, alongadas (se ainda for possível) com uma boa camada de máscara de pestanas.

Está ali um investimento considerável de tempo e dinheiro.

As mãos cuidadas, com uma manicure de meter inveja a qualquer mulher que preze esse trabalho; uma roupa sempre apropriada para a temperatura da próxima estação, sem evidenciar um arrepio de frio.

Olho para ela (e ela para mim) num misto de inveja e complacência. Pergunto-me sempre que fará uma mulher, tão jovem, com uns traços tão bonitos (e sem pinga de imperfeição na pele), optar por andar assim em vez de aproveitar a jovialidade que ainda preserva.

Sei que ela olha para mim e pensa porque raio não aproveito eu as maravilhas comésticas que temos à disposição.

Podia fazê-lo mas opto por mostrar um juventude cansada que uma adultez vívida. É que adulta posso sempre ser... Mas jovem... bem jovem, só de espírito, porque a do corpo foge-nos sempre por entre os dedos.

 

Talvez um dia, ela perceba isso. 

25 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (http://www.flaticon.com/).