Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida às fatias

Gostava de escrever um texto inspirador que servisse de meta a este blog... mas não há! É consumir depressa antes que acabe!

10
Mai17

As iniquidades do dia da mãe

Fatia Mor

Eu sei que foi domingo. Mas por um conjunto de circunstâncias, no Jardim de Infância da Fatia#1 celebrou-se hoje com a presença de todas as mães durante a manhã, para realizarmos algumas actividades com os nossos filhos.

Não sou a pessoa mais emotiva do mundo, mas fico de coração cheio e lágrimas a rasantes quando vejo aqueles pequenos seres, crescerem em orgulho e felicidade por terem, naquele espaço que é deles, as suas mamãs.

Olhei à volta e vi que a vida não permitiu que todas as mães estivessem. Os "patrões" às vezes não podem deixar as mamãs saírem do trabalho que é muito importante, como disse (e muito bem), a educadora. No entretanto, apercebi-me que há um menino cuja mãe já morreu. 

 

Custou-me horrores.

 

Nunca tinha sido confrontada com essa realidade de haver filhos sem mães. E mesmo sabendo que há uma avó, uma figura materna, naquele momento, fui incapaz de não me sentir do tamanho de uma formiga.

O menino estava calmo, impávido perante a alegria dos colegas, mas notava-se uma tristeza fundeada no seu rosto, como se morasse ali há muito tempo. Não era, certamente, aquele o momento que mais o fazia sofrer - via-se que estava preparado para essa realidade - mas havia uma desconectação de toda a situação que era arrepiante. 

Não fui capaz de me concentrar muito durante o resto do tempo que lá estive. Pelo canto do olho, via-o a brincar, normalmente, como se não estivéssemos ali. Apeteceu-me abraçá-lo e levá-lo para casa, apesar de saber que nunca compensaria o que quer que fosse. E tem a sua família, portanto, não lhe faço falta nenhuma. Mas inevitavelmente pensamos em como seria se fosse connosco, ou pior ainda, com os nossos filhos.

No momento de sair, a Fatia#1 tentava conter as lágrimas. Tive vontade de lhe explicar que não valia a pena chorar porque me tinha aqui, ao contrário de quem já não tem um abraço de mãe para nos confortar. Desisti. A verdade é que não consigo explicar-lhe o sofrimento do colega dela. Nem quis. Abracei-a, confortei-a e dei graças por poder fazê-lo. 

 

Deixei-a a ajudar a educadora a arrumar tudo e sei que ficou bem. 

 

29 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre a FatiaMor

foto do autor

Fatias antigas

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Créditos

Imagens produzidas e fornecidas por Flaticon (http://www.flaticon.com/).